Poemas Finitos

Diga ao povo que fico! Ou melhor, deixe que eu mesmo digo. Sem penas e sem pedras, semi-nú, sem grandes ou pequenos, nem de leve abstêmio, levemente suburbano, metropolitano, sem face, sem máscaras, estou em qualquer passado e nos cotidianos. Cai o pano!

10 de ago de 2012

Um dia




Uma fase diferente
é o que buscamos para
compor
nossa história ou
sozinhos
estamos sem respostas?
Eis o título, talvez, para a saga
dos certos de que
não importam os fatos externos.
Nem os boatos, nem a direção dos ventos.
A geometria de quem explica
foi carbonizada. Os relógios digitais
demonstram apenas que não há pressa.
Todos os agredidos sabem disso?
Um dia, entre os escombros do futuro,
seres mudos observarão perplexos
o nascer do dia, um dia violáceo.
Toda a poeira das gerações passadas
sobre suas cabeças.
Uma autoclave para esterilizar
os sentimentos. Questão de assepsia.
Uma voz para congregar, voz que não virá.
Uma voz para congelar o medo,
para dizer que perdeu-se o bonde,
as cores, as flores, as histórias
que poderiam ter sido.


Adonis K.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home