Poemas Finitos

Diga ao povo que fico! Ou melhor, deixe que eu mesmo digo. Sem penas e sem pedras, semi-nú, sem grandes ou pequenos, nem de leve abstêmio, levemente suburbano, metropolitano, sem face, sem máscaras, estou em qualquer passado e nos cotidianos. Cai o pano!

24 de jun de 2012

Forças




Entre as negras virtudes,
as mais belas,
resplandecentes quimeras
de eu mesmo,
sóbrio.
E no espaço do teu corpo,
singela,
divago meus mortos compassos,
pois soube que eras tudo,
menos hera.
Por tanto apaixonei-me,
tanto tolo, em teu colo,
ledo amor,
adormecido e lento.
Nem as chuvas de junho,
portentosas, admiráveis,
nem os solos de violino,
os pianos em compasso,
teus ombros, largos...
eu sóbrio e o abraço,
nem nada que proclamasse
o vinho.
Algo houve neste instante,
inconcebível,
algo terrível,
único e sublime,
um sopro
para a vida inteira,
um amor
além do mundo.
Vão, um grito seco,
de assombro,
além do mundo,
entre saxofones.
Nos vimos por dentro,
pirilampos, morcegos,
entre os espelhos de  ambos
embaçados, admiráveis, taciturnos.
Éramos sementes de um hino,
singelos campos,
crianças, pequenos,
divinos.


Adonis K.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home