Poemas Finitos

Diga ao povo que fico! Ou melhor, deixe que eu mesmo digo. Sem penas e sem pedras, semi-nú, sem grandes ou pequenos, nem de leve abstêmio, levemente suburbano, metropolitano, sem face, sem máscaras, estou em qualquer passado e nos cotidianos. Cai o pano!

15 de mar de 2012

Trinchado


Trinchado


Sou de mim minha própria prova,
meu consolo e prisão,
sou o tempo no espelho,
(da alma e de suas cicatrizes)
o dedo na pústula,
prior da paixão,
o que desagrega.
Que faço?
Do que embaraço,
embaralho,
idealizo.
Sou de mim o apêndice
na anatomia do ser que componho,
um descompasso.
Traço, qual rastro na areia,
planos, panoramas, lua cheia.
Relaxo, me deixo, me banho, me deito,
sou eu de verdade
no décimo quinto
andar
dos sonhos,
de um jeito sereno,
fatiado,
por partes trinchado em prospectos de farmácia,
pequenos pedaços eternos.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home