Poemas Finitos

Diga ao povo que fico! Ou melhor, deixe que eu mesmo digo. Sem penas e sem pedras, semi-nú, sem grandes ou pequenos, nem de leve abstêmio, levemente suburbano, metropolitano, sem face, sem máscaras, estou em qualquer passado e nos cotidianos. Cai o pano!

2 de out de 2010

Descendo a ladeira de bicicleta vermelha e chovia



Eu escrevia
algumas cartas
simples
que jamais enviaria.

Dentro de mim além
de estômago e rins
alguém mais.

Houve um tempo bravio
de estrelas demais
e cometas sem fim.

Eu escrevia e ria
o que muitos de nós
jamais entenderia.
Era certo o final do jamais.

Cantei a um mundo caduco
meus hinos de paz.
Ouviram? Foi mais um gemido
de menino,
um livro de bicicleta vermelha
ladeira inteira da vida abaixo
e chovia.

Adonis K.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home