Poemas Finitos

Diga ao povo que fico! Ou melhor, deixe que eu mesmo digo. Sem penas e sem pedras, semi-nú, sem grandes ou pequenos, nem de leve abstêmio, levemente suburbano, metropolitano, sem face, sem máscaras, estou em qualquer passado e nos cotidianos. Cai o pano!

18 de mai de 2010

Nada sei



Já não te escrevo
em meus poemas,
já nem sei de ti,
nada sei, portanto
do absurdo.
Se te perdi foi fortuito,
algo literalmente engolido
por labirintos famintos
da alegria dos homens.


Adonis K.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home